Chelsea precisa ir ao mercado se quiser voltar à Champions League

A maratona de fim de ano não terminou. Entre vitórias e derrotas, o saldo, por enquanto, é positivo. O triunfo em cima do Watford, fora de casa, só evidencia a importância de Eden Hazard para a equipe azul do oeste londrino. O belga chegou a marca de 101 gols com a nossa camisa após os dois gols marcados na rodada do Boxing Day.

Hazard à parte, os Blues rodaram o elenco nos últimos três jogos, principalmente contra o Bournemouth pela Carabao Cup. Depois da derrota para o Leicester, Sarri repetiu o time nessa quarta-feira e essa escolha teve um preço terrível e que, provavelmente, já era esperado: lesões.

O grande dilema é que o único setor em que o time de Maurizio não tem peças que possibilitam um grande revezamento é, justamente, onde ocorreram problemas: o ataque. Pedro saiu contundido e Hudson-Odoi também. O que adianta ter cinco zagueiros, dois goleiros, quatro meias e não ter atacantes para o necessário rodízio? A falha se mostrou, ainda mais evidente, nesta vitória.

É correto afirmar que até a lesão de Morata, bem ou mal o espanhol ocupava o espaço na frente, o Chelsea não sofria tanto nas alas, Willian ou Pedro sempre se revezavam em uma ponta enquanto Hazard jogava na outra. Porém, a lesão do camisa 29 escancarou um grande problema: será Giroud o centroavante? Ou Hazard improvisado?

Constantemente utilizado como falso 9, o popular Hazardinho vem se destacando com gols e assistências - lá no Chelsea Brasil debatemos no último podcast se Hazard de falso 9 era uma boa, clique aqui para ouvir. Entretanto, deixando os números de lado, é necessário observar que a simples utilização desses três wingers juntos inviabiliza o banco de reservas e o necessário rodízio.

Hudson-Odoi é somente uma promessa, vem se destacando, é claro, mas é necessário ter calma. Victor Moses está machucado, e já foi mostrado que ele não é o típico atacante que nosso treinador gosta. Com isso, fica mais do que claro que precisamos trazer um jogador pronto para o ataque: seja ele um centroavante ou um ponta.


Getty Images
Getty Images

Eden Hazard vem brilhando com a camisa do Chelsea na atual temporada


As opções para a janela de transferências de Janeiro

Apesar de ser necessário trazer alguém, é preciso entender que, geralmente, os grandes negócios não ocorrem neste período por diversos fatores: preço inflacionado, é meio de temporada e os clubes não querem perder seus principais jogadores.

Contudo, Roman Abramovich tem utilizado seu talão de cheques nos últimos anos no primeiro mês do ano. David Luiz, Fernando Torres em um passado distante, e Giroud e Emerson na última temporada são apenas alguns exemplos desse comportamento. O blogueiro sugere abaixo quatro jogadores que fariam a diferença para o maior de Londres.

A Premier League não foi selecionada no levantamento pelo entendimento de que o valor a ser pago seria muito acima de outros mercados, justamente por ser o melhor campeonato do mundo.


1) Memphis Depay (Lyon)

Líder de assistências na Ligue 1, com sete, Depay teve uma passagem apagada no Manchester United há pouco tempo. Recuperou o seu futebol no Lyon e vem brilhando desde a última temporada. Tem apenas 24 anos e é extremamente versátil, podendo atuar nas duas pontas e até mesmo como falso 9.

Seu valor de mercado está estipulado em 50 milhões de euros e seu contrato vai até 2021. Se o Chelsea fosse atrás, Memphis poderia liderar o processo de renovação no ataque azul, visto que Pedro e Willian já passaram dos 30 anos.


2) David Neres (Ajax)

O ex-São Paulo tem apenas 21 anos, é verdade. Mas por estar há uma temporada e meia no Ajax, já adquiriu um pouco de rodagem para um salto em sua carreira. Caso os Blues queiram alguém mais jovem e mais barato, seu valor de mercado é estipulado em 25 milhões de euros, o winger brasileiro seria uma boa opção.

Neres tem seis assistências no atual campeonato holandês e seria um respiro novo para o ataque azul.


3) Timo Werner (Leipzig)

Jogador do Leipzig, Werner é uma estrela em ascensão. Com apenas 22 anos, o alemão já joga regularmente pela sua seleção, atuou, por exemplo, na última Copa do Mundo. Na surpreendente Bundesliga da atual temporada, o atacante tem 11 gols marcados em 17 jogos e está brigando pela artilharia da competição.

Apesar de ser originalmente um centroavante, o camisa 11 também pode jogar pelos lados, o que seria bastante interessante sob uma perspectiva azul. Com contrato até junho de 2020, seu valor de mercado está estimado em 65 milhões de euros.


4) Nabil Fekir (Lyon)

Especulado na última janela de transferências, Fekir é o jogador mais maduro entre os quatro levantados. Com 25 anos e uma presença constante na Seleção Francesa, o camisa 18 do Lyon não vem brilhando na atual temporada da Ligue 1. Diferentemente de seu companheiro Depay, tem apenas duas assistências no atual campeonato.

Seu valor de mercado está na casa dos 70 milhões de euros e seu contrato vai até junho de 2020. Apesar da temporada não ser boa, o jovem é bastante especulado e não deve ficar muito tempo no time francês.


Feito o levantamento, o autor deste texto entende que a melhor opção se chama Timo Werner. É jovem, goleador e, de quebra, devolveria Hazard para a sua melhor posição: a ponta.


E você, torcedor Blue?